Back

Apr 25, 2022

Due Diligence: o que é e o que significa a diligência prévia

ptpt
  • es
  • en
  • fr
  • de
Due Diligence: o que é e o que significa a diligência prévia

O termo Due Diligence ou Diligência prévia é utilizado em diversas situações. O seu uso e aplicação varia dependendo do setor, da área ou do tipo de processo em que seja utilizado. Neste artigo vamos tratar do significado de Due Diligenceo que é a diligência prévia, para quê se utiliza, que tipos de due diligence existem e como se aplica.

Geralmente é usado para conceitos e situações em que seja necessário investigar uma pessoa individual ou coletiva previamente a uma relação contratual ou outros tipos de intercâmbio. É importante ter em mente que a identificação do sujeito (empresa ou particular) sobre o qual se realize a avaliação Due Diligence é um trâmite prévio essencial.

Descubra aqui como a digitalização transformou os processos.

A AVALIAÇÃO DUE DILIGENCE: SIGNIFICADO LEGAL

A Due Diligence ou Diligência Prévia designa a própria investigação realizada. Desta forma, falamos de Diligência Prévia ou Due Diligence em contexto jurídico para nos referirmos a uma auditoria legal, a uma ação de verificação prévia de uma pessoa ou empresa a fim de avaliar possíveis riscos no estabelecimento de relações económica com a mesma.

A investigação foca-se na compreensão da realidade da empresa ou pessoa e no apuramento sem sombra de dúvidas que não cometeu, está a cometer ou pensa cometer qualquer delito. A avaliação Due Diligence é, portanto, um processo de pesquisa de informação efetuado por uma das partes numa relação de negociação para poder avaliar os riscos e a situação no momento dessa negociação.

É um processo muito habitual no âmbito da compra e venda B2B (Business-to-Business) e na adquisição ou fusão de sociedades. Nalguns casos também é conhecida como “Diligência prévia à compra ou auditoria de compra”. A sua definição literal é “avaliação de uma persona ou empresa prévia à assinatura de um contrato ou investimento”.

A VINCULAÇÃO E A IMPORTÂNCIA DO KYB/KYC NA DUE DILIGENCE

Para obter informação sobre uma empresa ou pessoa, o primeiro passo é a sua identificação. Ou seja, assegurarmo-nos de que a pessoa ou empresa é quem realmente diz ser. Depois de realizada esta identificação, será possível estabelecer relaciones de confiança y desenvolver a avaliação Due Diligence ou Diligência Prévia.

avaliação Due Diligence, ou Diligência Prévia, está estreitamente relacionada com o termo KYB (Know Your Business), o passo prévio numa avaliação Due Diligence que é o da identificação a distância do indivíduo/empresa que se investiga. Este processo de identificação digital de uma empresa/particular, para confirmar que corresponde ao pretendido é conhecido como Know Your Business.

Fique a conhece o onboarding digital juridicamente vinculativo para a Europa: QES+

O processo KYB é uma variante do padronizado e globalmente utilizado Processo KYC (Know Your Customer), conhecido como Diligência Prévia do Cliente (CDD – Client Due Diligence).

A maioria das empresas que pretendem obter clientes a distância tem a obrigação legal de identificar os seus utilizadores através de sistemas de verificação de identidade fiáveis e seguros. Este processo evoluiu do KYC para o eKYC (electronic Know Your Customer), desencadeando uma revolução nas relações contratuais entre utilizadores e empresas, com a avaliação Due Diligence realizada numa perspetiva tecnológica.

Isso é amplamente conhecido no setor financeiro como Due Diligence financeira, em que a Diligência Prévia reforçada é necessária mesmo para clientes já existentes que não estavam obrigados a este procedimento. As entidades gerem os modelos de risco utilizados para identificar empresas e/ou clientes de alto risco.

Ao considerar como fazer uma Due Diligence financeira a um particular, colaborador ou trabalhador independente, o processo KYC é o primeiro passo para realizar a investigação.

De facto, antes de qualquer operação que algum tipo de transação, deve ser realizada uma avaliação Due Diligence, mesmo no setor imobiliário.

REGULAMENTOS A TER EM CONTA PARA UMA AVALIAÇO DE DUE DILIGENCE JURÍDICA

Como qualquer procedimento legal, a Due Diligence deve cumprir a normativa vigente ao abrigo da qual se realiza. Nesse sentido, os regulamentos em causa são os seguintes:

  • GDPR: O Regulamento Geral de Proteção de Dados que regula a proteção das pessoas em relação ao tratamento dos seus dados pessoais e à sua utilização. Qualquer avaliação Due Diligence jurídica deve cumprir estritamente o RGPD no que diz respeito ao tratamento dos dados da pessoa investigada por parte da empresa.
  • AML Due Diligence: A Quinta Diretiva contra o Branqueamento de Capitais, a 5AMLD, regula todos os aspetos relativos às ações contra o branqueamento de capitais em todo o tipo de processos, tanto offline como online. É um regulamento obrigatório que abrange todas as empresas, embora especialmente o setor financeiro e a banca, desenvolvendo técnicas para prevenir a fraude e a diligência prévia contra o branqueamento de capitais.
  • eIDAS: O sistema europeu de reconhecimento de identidades eletrónicas e serviços de confiança constitui a base para a identificação de empresas y utilizadores, concedendo o selo de confiança para empresas qualificadas. Regula todos os aspetos relativos à assinatura eletrónica e as relações online.

Faça o download gratuito do guia completo sobre os regulamentos AML5 e eIDAS.

COMO FAZER UMA DUE DILIGENCE FINANCEIRA?

O que é a Due Diligence financeira e para que serve? A avaliação Due Diligence financeira tem como objetivo verificar a saúde financeira de uma empresa.

Na altura de fazer uma Due Diligence financeira, o primeiro passo consiste em identificar a empresa e, imediatamente a seguir, analisar todos os seus movimentos e estado financeiro atual e passado. Tudo é minuciosamente verificado para estabelecer uma previsão com a qual identificar possíveis riscos.

CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UMA AVALIAÇÃO DUE DILIGENCE EM CONFORMIDADE COM AS NORMAS KYC/KYB.

Qualquer avaliação Due Diligence numa auditoria apresenta uma série de características padrão que a regulam em função das boas práticas neste tipo de métodos de avaliação de riscos:

  • Toda a informação é confidencial entre ambas as partes e deve ser tratada em conformidade com os regulamentos estabelecidos (RGPD, AML5, eIDAS).
  • Em boa parte das negociações o processo de identificação e de Due Diligence são legalmente obrigatórios. Presume-se sempre a existência de boa-fé por parte de prestador da informação.
  • É recomendável que seja levada a cabo por terceiros, uma empresa especializada em Due Diligence, em auditoria, ou em tecnologia KYB ou KYC.
  • Objetivo profissional deve ser sempre claro: identificar as contingências da parte com quem se vai negociar, e não qualquer outra intenção.
  • Deve ser dado um prazo de tempo curto e atual, para ser fiável e verídico.

A Electronic IDentification, eID, como partner Regtech reconhecido pode acompanhar as empresas nestes processos de verificação e identificação no quadro da avaliação Due Diligence como empresa de Diligência Prévia.

Cookies on this website are used to personalize content, offer social media features and analyze traffic. We share information with our social media, advertising and web analytics partners, that can combine it with other information provided to them or that they have collected from the use of their services. Manage, get to know, accept or delete cookies by clicking on "Cookie Settings and Policy" . You accept our "Privacy Policy" by navigating this website.

Picture

Please rotate your device to continue discovering the leading eID digital identification solutions